Rockstar: Cadu de Castro Alves e Monique Fernandes

Cadu e Monique, a dupla dinâmica de eventos para geeks, hackers e empreendedores do Rio de Janeiro.

rockstar-caduemonique

A paixão por tecnologia e empreendedorismo em parceria com o desejo de reunir amigos e membros da comunidade tecnológica carioca motivaram a dupla Cadu de Castro Alves e Monique Fernandes a organizar dois eventos que já se tornaram referência no setor: o Geeks on Beer e o Geeks on Mocha, ambos com várias edições realizadas e muito sucesso entre o público.

Cadu teve o primeiro contato com os computadores aos seis anos de idade e, desde então, não parou mais. Já trabalhou com design gráfico, web design e dev e atualmente é sócio na Beesoffice, um espaço de coworking localizado no Rio de Janeiro.

Já Monique é jornalista, especialista em Marketing e proprietária da Tagarela Comunicação, uma assessoria de imprensa focada em empreendedorismo e novos negócios. Batemos um papo com eles sobre eventos, inovação e desenvolvimento no Brasil atualmente. Confira:

1) O primeiro Geeks on Beer alcançou um sucesso tão grande que os participantes logo pediram a realização de novas edições. Vocês esperavam uma recepção tão positiva? Quais serão os passos do GOB futuramente?

Quando organizamos o Geeks on Beer, jamais imaginamos que haveria tanta repercussão. Pensamos em fazer um evento de desenvolvimento, networking e diversão junto com amigos e profissionais do setor. Como o Geeks on a Plane já estava com data marcada em São Paulo, percebemos que era totalmente viável organizar um evento semelhante no Rio de Janeiro e foi o que fizemos. Mobilizamos o pessoal pela internet, conseguimos organizar tudo em dois dias e o resultado foi ótimo.

Em relação ao futuro, a próxima edição do GOB já deve acontecer agora em outubro. Já definimos o lugar, mas ainda não fechamos a data. A Monique não está mais na organização do evento devido a outros compromissos profissionais e à impossibilidade de conciliar tantas tarefas, mas eu, o Cadu, continuo na produção do evento.

2) Como surgiu a ideia de criar o Geeks on Mocha? Há perspectiva de realização de novas edições? Quais vocês consideram os impactos de eventos como esses no setor?

O Geeks on Mocha, assim como o Geeks on Beer, surgiu a partir do desejo de organizar um evento para reunir e estimular desenvolvedores, designers e outros profissionais da comunidade tecnológica a dividirem experiências e elaborar novos projetos. O Hackathon, que promove a inovação, a criatividade e novas soluções para as empresas, já realizou cinco edições, sendo a última delas mais comercial. Apesar de ainda não ser uma prática tão comum aqui no Brasil, empresas como a Blackberry, a Sendgrid e a Vivo, dentro da Campus Party Recife, já realizaram hackathons para desenvolver novos projetos.

Percebemos que há muito espaço e bons profissionais buscando aprender com nomes de referência, ganhar/compartilhar conhecimentos, aumentar o networking e fazer novos negócios nessa área. Esse é um mercado que tem tudo para crescer nos próximos anos.

3) Como vocês veem o mercado de eventos para os profissionais de tecnologia no Brasil atualmente? Além do Geeks on a Plane, que foi uma das inspirações para a criação do Geeks on Beer, existem outros eventos que vocês consideram referência?

Existem muitos bons eventos acontecendo no país nos últimos tempos. Como o mercado está bastante aquecido devido ao crescimento das startups e da projeção do Brasil no cenário tecnológico internacional, a demanda por esse tipo de eventos também vem crescendo muito. Daqui até o fim do ano, pelo menos mais cinco grandes eventos de tecnologia devem acontecer.

Desde a primeira edição do Geeks on Beer, percebemos uma evolução no preparo e na experiência do empreendedor. É verdade que ainda precisamos “comer muito arroz com feijão” em relação às comunidades tecnológicas americana e européia, mas o potencial está crescendo bastante e deve continuar nesse ritmo até, pelo menos, 2016. Em alguns mercados, apesar das dificuldades, o Brasil já é capaz de competir e até de ficar à frente dos estrangeiros.

 

Em relação a eventos que tomamos como referência, um bom exemplo é o Rio Info 2013, que aconteceu na semana passada no Rio de Janeiro e é considerado o maior evento de TI do país. O AngelHack é o maior organizador de hackathons e eventos de inovação do mundo, com edições em cidades de todo o continente americano, Europa, a Ásia e Oceania, e também é uma grande inspiração para nós. Outro evento super legal nesse sentido é o Global Game Jam, um hackathon online focado no desenvolvimento de games e que também mobiliza várias cidades do mundo.

4) Deve ser desafiador cativar e trazer inovações a um segmento tão exigente e antenado como o dos profissionais de tecnologia. Como vocês lidam como isso e quais as estratégias para estar sempre à frente nesse mercado?

É muito importante estar sempre muito bem informado e ter uma boa organização na hora de elencar os assuntos. Participamos ativamente de grupos, fóruns e espaços de discussão e compartilhamento de informações na rede e fora dela. Ajudamos a construir e somos moderadores do grupo Startup Brasil no Facebook, que já conta com quase 9000 membros e funciona como um laboratório para ver quais as demandas e do que mais se fala no mercado de tecnologia atualmente. Uma de nossas grandes prioridades na hora de organizar as edições do GOB e o GOM é estar em sintonia com o público e com os membros da comunidade, para trazer conteúdo relevante, atual e convidar quem entende dos temas para falar sobre eles.

Outra grande motivação para nós sempre foi trabalhar com prazer, acreditando no projeto e fazendo o que gostamos. Desde o começo, o Geeks on Beer só contou com um patrocinador, já que o nosso foco não é ganhar dinheiro com o evento. Acreditamos muito na interação com os profissionais e no aprendizado conjunto como ferramentas essenciais para produzir bons eventos que tragam conhecimento, networking, negócios e entretenimento para os participantes.