Rockstar: Tatiana Marques

Uma das grandes referências no mercado nacional de eventos, Tatiana Marques, que já foi presidente da ABEOC-PE nos conta sobre sua carreira e impressões sobre o setor.

rockstar-tatiana

Foto: Classe A Estúdio Fotógrafico

Compromisso com o cliente, dedicação e criatividade. É por esses e outros atributos que Tatiana Marques tornou-se uma das principais referências no mercado de eventos empresariais em Pernambuco.

Com mais de 15 anos de experiência e um olhar sensível sobre como produzir eventos de qualidade e que atinjam em cheio os objetivos de seus clientes, Tatiana acredita que o elemento humano faz a diferença na organização de qualquer evento. “Uma equipe do tipo ‘time comprometido com o organizador de eventos’ não pode faltar. Evento é ao vivo e a cores, não tem ilha de edição, só contato com gente”, destaca. Conversamos com a produtora sobre o setor de eventos corporativos, sobre suas experiências e sobre o que há de mais promissor na área atualmente. Confira:

1. Como você iniciou sua carreira e há quanto tempo atua na área de eventos corporativos? Quais as diferenças entre produzir este tipo de evento e organizar eventos em outros segmentos?

A Taciana Marques Cerimonial e Eventos (TMCE) existe desde 1999, completando 15 anos agora em 2014. Antes dela eu atuei como gerente de eventos e comunicação do Real Hospital Português e como interface da Nordeste Segurança e a Agência de Publicidade, atuando nas duas funções. Organizando eventos são mais quatro anos, mais três como freelancer e, antes disso, toda uma vida atuando nos eventos que passavam no meu caminho ou eu no caminho deles. O evento corporativo, assim como o técnico científico, não é sempre uma comemoração. São várias as razões pelas quais eles existem: o evento é uma excelente ferramenta de comunicação, uma mídia de baixíssimo custo e de naturezas diversas. Desde comercial, político, estratégico para gerenciamento de crise, comunicação empresarial com a imprensa ou públicos específicos-convenção-inauguração, visitas técnicas… Enfim, a lista de possibilidades continua. Nesse cenário ainda entram os seminários, simpósios, congressos e audiências públicas, o que é bem diferente de um evento social comemorativo, pois se tem um compromisso com uma marca e um resultado a ser alcançado.

2. O que você considera imprescindível para um bom evento empresarial? Além disso, o que esses eventos podem acrescentar de mais interessante ao mercado corporativo?

Imprescindível o conhecimento do perfil do mailing list de convidados e como para tal público se poderá realizar um evento que leve ao objetivo do cliente/dono do evento. Não adiantará ter todos os recursos e idéias fantásticas se não tiver o conhecimento da cultura, da vontade, do desejo dos convidados, tipo o perfil completo do público-alvo. O conhecimento do público e do seu comportamento social é essencial para fazer o que ele deseja. O foco do organizador de eventos é o foco do cliente dele.

O evento poderá e deverá acrescentar intimidade, respeito, amor, motivação ou outros valores positivos, dependendo do objetivo.

3. Por que é tão importante para a imagem de uma marca/empresa realizar eventos corporativos junto aos seus clientes, parceiros ou colaboradores? Quais os principais objetivos dos seus clientes ao procurar um serviço como o da sua empresa?

O evento é a mídia face to face, o produto, a idéia, o empreendimento, o nome diretamente na mão do consumidor, do público prioritário do dono do evento, daquela marca, daquele objetivo. Nada é mais importante do que o certo+certo. Nada poderá trazer melhor resultado do que o evento certo para o público certo, seja ele público interno ou externo. O principal objetivo é quase sempre positivar um relacionamento e a geração de negócios.

4. Ao longo de sua carreira, você acompanha a evolução dos eventos empresariais. O que mudou para melhor e o que ainda precisa evoluir na organização de eventos corporativos?

Mudou para melhor o mesmo que ainda falta melhorar muito: a profissionalização do setor de eventos. Seja tendo como referência quem o faz, quem o contrata, quem o enxerga como ferramenta de comunicação e quem o fomenta.

 

5. O que você recomendaria a alguém que está iniciando a profissão de produtor de eventos? Há muitos cursos/workshops para os interessados nesta área?

Recomendo saber da premissa número um: fazer eventos é trabalhar enquanto os outros se divertem (uma festa, uma inauguração) ou enquanto os outros sofrem (funeral). É importante saber, também, que enquanto os outros vão dormir, você vai continuar trabalhando. Estudar, estudar e estudar, adquirir conhecimento e informação técnica também é primordial. Hoje já se tem os cursos de graduação e de pós-graduação, em várias instituições do Brasil, mas ainda há muita coisa a ser implantada na área.

Após sete anos, voltaremos a ter o “Eventos Brasil”. Trata-se do Congresso Brasileiro de Empresas e Profissionais de Eventos, que será em Dezembro no Centro de Convenções Rebouças em SP e tem à frente a Associação Brasileira de Empresas de Eventos (Abeoc Brasil). Este é um excelente sinal de evolução do setor. Também está em andamento a primeira Certificação de Qualidade do setor no Brasil. Isso é muito bom.