Como utilizar as redes sociais para promover o seu evento

Desnecessário dizer, Mídias Sociais são um canal super importante hoje em dia. Veja boas práticas sobre como usá-las a favor dos seus eventos.

eventick-midias-sociais

As mídias sociais têm se mostrado um meio barato e eficiente de divulgação e hoje é raro ver um produtor de eventos que não se utilize do meio. Mas, como todas as outras grandes invenções da humanidade, nada vai fazer tudo sozinho por você. É preciso dar seu quinhão de atenção para tirar o melhor do que as redes sociais podem oferecer.

A cvent disponibilizou um infográfico com dados interessantes sobre marketing de eventos em mídias sociais.

Para quem acha que basta criar um evento no Facebook e dar um share… o estado-da-arte está além. Segundo o estudo:

  • Twitter é mais eficiente se utilizado para comunicar com formadores de opinião, marqueteiros, profissionais de mídia e comunicação e geeks. Além disso, funciona melhor para eventos de público superior a 1.000 pessoas.
  • LinkedIn, como se espera, é mais apropriado para eventos coorporativos/institucionais. Muita gente nem sabe que o LinkedIn tem essa parte de eventos, mas ela é altamente recomendada para atingir profissionais de uma ocupação ou setor específico.
  • Facebook, como estamos cansados de saber pelas insistentes notificações de nossa rede, é ótimo para eventos sociais. Não negligencie a estética, deixe seu evento com uma cara bonitinha e ele te trará mais retorno.

 

 

Sabendo dessas informações, vamos ao que interessa: como utilizar todo o potencial das mídias sociais para organizar, chamar participantes e deixar uma marca ou uma empresa mais próxima do seu público?

Para começar, voltemos ao básico: várias “cabeças” pensam melhor do que uma. Isso também se aplica às redes sociais. Uma estratégia que envolva vários canais atuando juntos é muito mais eficiente e inclusiva do que concentrar todos os esforços em apenas um veículo de comunicação. Cada canal tem uma maneira única de se comunicar com o seu público e transmitir mensagens, logo mais conteúdo difundido por meio de mais canais implica mais pessoas atingidas pelas mensagens recebidas. O X da questão é planejar o quê será dito, como será dito e para quem será dito em cada rede social. Dá trabalho montar essa estratégia, mas vale a pena, acredite.

Para deixar a sua vida mais fácil, elencamos algumas ideias para colocar o seu evento na boca do povo – no bom sentido, é claro! Vamos lá:

1. Planejamento é tudo!

Já dizia o poeta “toda caminhada começa com um primeiro passo” e, para promover um evento nas redes sociais de forma eficiente, o ponto de partida é um planejamento bem feito. Primeiramente, escolha suas armas: defina quais canais serão utilizados, estabeleça a ordem de atualização entre as redes, de acordo com os temas tratados e com a concentração do público em cada uma delas. Feito isso, é hora de partir para o ataque: a definição do tipo de conteúdo que deve ser publicado em cada canal de comunicação.

Se o seu público está mais concentrado no Facebook e no Twitter, por exemplo, as informações mais relevantes/urgentes – data, hora e localização, venda de ingressos, programação e eventuais mudanças no cronograma – devem ser publicadas primeiramente nestas redes para, só depois, entrarem no circuito das redes secundárias.

Se as escolhidas para essa segunda categoria forem o Instagram e o LinkedIn, elas poderão trazer informações complementares, que auxiliam a compreender o conceito do evento ou que, eventualmente, tenham ficado de fora das mídias primárias. Além disso, o perfil e as potencialidades de cada rede também serão determinantes na escolha do conteúdo publicado em cada uma delas.

Não adianta encher as publicações do Instagram de textos longos ou colocar várias hashtags nos posts direcionados ao LinkedIn. Trata-se de adequar as habilidades da mídia ao seu conteúdo e ao seu público-alvo. Se houver dúvidas sobre a eficácia de um tipo de post em uma das redes sociais, algumas ferramentas de monitoramento (das quais falaremos mais adiante) podem dar aquela mãozinha.  Quem fizer isso com maestria estará dez passos à frente da concorrência!

O Facebook é ótimo para publicar textos mais informativos, que contenham tudo o que participante precisa saber sobre o evento. Também é muito eficaz para viralizar informações rapidamente e para atingir pessoas que ainda não curtiram a página, mas que possuem conexões com os seguidores. Por isso, se houver mudanças de plano no evento, é no Facebook que a notícia deve ser dada em primeira mão.

No Twitter, o produtor pode publicar vários drops para refrescar as características do evento na mente do participante, como dia, hora, local e palestrantes/atrações, a depender do tipo do evento. É, também, uma ótima plataforma para promover a hashtag do evento e se comunicar rapidamente com o público. Além disso, o Twitter também é uma ferramenta bastante dinâmica de divulgação do evento em tempo real.

Por ser focado em imagens, o Instagram – que, atualmente, conta com mais de 75 milhões de usuários ativos por dia, segundo o Hootsuite – é a plataforma ideal para publicar fotos e vídeos dos bastidores durante a fase de pré-produção do evento, gerando expectativa no público-alvo. Assim como o Twitter, é uma ferramenta bem eficaz enquanto o evento está ocorrendo, por ser altamente interativa e ter um forte apelo visual junto aos seguidores. O uso das hashtags também está liberado. Só não vale exagerar, hein?

Muita gente não associa o LinkedIn à organização de eventos, mas o canal pode ser bastante útil para se comunicar com um público mais segmentado e que possua as mesmas áreas de interesse do evento em questão. É perfeito para eventos de networking e seminários, podendo ser utilizado para encontrar/recrutar palestrantes e para consolidar as conexões feitas em eventos anteriores. A linguagem deve ser mais objetiva e os textos, mais informativos e direcionados.

2. Palavra de ordem: hashtag!

Escolher a hashtag certa é fundamental em todas as etapas de um evento: antes, durante e depois. Para chamar a atenção, viralizar, saber o que estão falando sobre o evento e, depois, para saber sobre o impacto que ele alcançou nas redes sociais, poucas são as ferramentas tão eficazes quanto ela. Mas como saber se a escolhida está à altura de tarefas tão importantes? Existem algumas diretrizes básicas na hora de elaborá-la:

    • Ser fácil de memorizar e soletrar:

No mundo de informações que é a Internet, uma hashtag muito complexa ou diferente da essência do produto/serviço pode ser facilmente confundida ou esquecida, ou nem mesmo chegar a atrair a atenção do público. Se possível, aposte em uma brincadeira com o nome do seu evento – é ótimo, inclusive, para aumentar a relevância do nome do evento junto à audiência – ou o relacione a um slogan ou meme já conhecido pela maioria dos seus participantes.

  • Ser curta e versátil:

Não adianta criar uma hashtag-selo para um evento e não divulgá-la no maior número de mensagens possível, para que ela possa viralizar e cumprir sua função. O que queremos dizer é que a hashtag escolhida deve funcionar e ser a mesma em todas as redes sociais como Facebook, Instagram, Google+, LinkedIn e Twitter. Ela deve ser uma verdadeira “sigla” do seu evento em todas essas mídias. A sua tem o potencial para isso? Então, você está no caminho certo.

Depois de batido o martelo, é hora colocar os holofotes sobre a sua a hashtag. Não tenha vergonha. Inclua a hashtag em todo o material online e offline de divulgação do evento, para que a audiência tome conhecimento, crie referências e saiba o que estão falando sobre o seu evento.

Uma vez em ação, como monitorar o uso da sua hashtag? Se você estiver utilizando a hashtag em todas as redes sociais, o RebelMouse será o seu novo melhor amigo. Além de encontrar as conversas e citações que estão acontecendo em todas as mídias, também é possível integrá-lo ao Google Analytics e aos feeds RSS, caso você os utilize. Se você quer não só encontrar, como também ver como está a sua hashtag em relação às concorrentes e ao setor, a sua ferramenta-chave será o Talkwalker. Achou pouco? Ele ainda cria painéis e relatórios personalizados para facilitar a sua análise.

No Twitter, a rede em que as hashtags são mais usadas e difundidas, duas ferramentas que podem te ajudar bastante são o TweetDeck e o Hootsuite.

3. Crie um evento no Facebook

Essa não é exatamente uma novidade, mas pode, sim, dar aquela força na hora de promover o seu evento, especialmente se o seu budget estiver um pouco mais apertado. Após criar o evento, convide os potenciais participantes e, se houver, todos os atuais seguidores da página oficial do evento ou da empresa que o organiza. Aproveite, também, para linkar o evento a elas na aba “Curtidas desta página”.

Os eventos do Facebook podem combinar os altos índices de visibilidade às estratégias de promoção de eventos. As vantagens de integrar essa ferramenta às demais plataformas de marketing de evento são várias. Um pequeno resumo nos mostra que ela é capaz de:

  •  Aumentar o alcance de público:

Quando algum participante afirma que participará do evento, a informação aparece no Feed de Notícias de seus amigos e pessoas relacionadas, gerando uma espécie de “publicidade gratuita” para potenciais participantes. É uma maneira bem simples de atrair audiência, especialmente se a organização garantir a presença dos chamados influencers e/ou formadores de opinião, que podem influenciar diretamente pensamentos e atitudes de terceiros.

  •  Contribuir para divulgar o conceito do evento:

O Facebook é um espaço de alta visibilidade (em média, mais de 450 milhões de pessoas o utilizam diariamente) e que concentra vários públicos diversificados na mesma plataforma. Dito isso, um bom uso do evento pode contribuir para construir e difundir o conceito, os objetivos e as informações úteis sobre o evento de forma mais barata, eficiente e democrática, atingindo vários públicos diferentes simultaneamente.

  • Atuar em parceria com outras plataformas de comunicação:

Os eventos do Facebook são, também, supereficazes para direcionar para o hotsite do evento, para outra rede social ou diretamente para a plataforma de venda de ingressos devido ao seu layout simples, com as informações bem organizadas e à mão do participante a um só clique. Não tem quem resista à tamanha praticidade!

Lembrem-se disso nos seus próximos eventos e mãos à obra!

* Com informações do The Small Business Guide to Social Media and Event Marketing from Hootsuite and Eventbrite